Posts Tagged ‘exercício’

O fazer online

abril 14, 2008

Ao pensar em conteúdo on-line alguns fatores são logo ressaltados como, por exemplo, seu caráter interativo e dinâmico. E, principalmente, sobre a qualidade do conteúdo que será exposto.

É sobre este tema que perpassa o texto “A produção de notícias” de autoria de Polyana Ferrari. Todo o material divulgado é apurado ou tão somente “empacotado” transformado – se em reflexos reprodutivos? Será que existe um limite entre o “espaço pessoal” e o “público”?

Quando falamos de conteúdo midiático e, da internet em especial, devemos considerar o alcance de nossa produção. Mesmo que nosso texto seja uma mera reprodução, o cuidado com a propagação de fatos falsos tem que ser considerado. Além disso, informar a autoria de quem produziu o material publicado, além de ético e criminalmente mais seguro, é respeitoso também.

Restringir a internet a um “pedaço do quintal de casa” é esquecer de seu alcance mundial, o que torna os impactos do texto na Web praticamente impossíveis de serem medidos. Entre outros aspectos, tal mídia trabalha com o real. Há a sensação de que toda a informação descrita acontece no exato momento em que se lê. O famoso “em tempo real”.

Por isso, produzir notícia na internet requer conhecimento não só em tecnologia, mas também, em todo tipo de mídia. O material pode ser “reproduzido” mas deve existir um mínimo de apuração sobre o fato a ser relatado.

Por Suzana Nogueira

aula 24.03.08

Anúncios

A internet e as eleições americanas

abril 14, 2008

Vivemos na era da Internet. Não podemosfugir disso. Ela pode ser boa ou não, dependendo de como é utilizada.

Ela facilita nossas vidas, na rapidez que recebemos as informações, praticamente no momento que acontecem, pagamos contas, compramos, conversamos, interagimos com outras pessoas. Não precisamos estar fisicamente presente nos lugares, podemos usar as videoconferências, tanto no mundo dos negócios, nas faculdades, em um hospital, ter o nosso blog, podcast,onde podemos fazer nosso próprio jornal, ou programa de rádio e TV.

O lado negativo da Internet, refere-se ao anonimato, não sabemos com certeza quem está do outro lado. Se alguém quiser postar algo para prejudicar alguém, é só colocar no “you tube” e esperar o resultado. Depois que caiu na rede, não há como consertar.

No artigo escrito por Sergio Davila “Quem não “youtuba se trumbica” é interessante o comportamento dos candidatos a presidência dos Estados Unidos, que não se importame até querem ser ridicularizados. O mais importante é estar nessa mídia, porque serão vistos por milhares de pessoas que comentarão o vídeo e talvez consigam mais votos.

Esse poder de conseguir mais votos é questionável, num país com tanta tradição democrática, as pessoas são mais politizadas,tem acesso a informação, existe a inclusão digital e o voto não é obrigatório. Deve ser uma maneira de animar a corrida eleitoral.

Fatima Nakazone

O caos das chuvas na vida do cidadão paulistano

abril 14, 2008

As chuvas nesta época do ano têm causado grandes estragos na cidade de São Paulo. Avenidas, ruas alagadas, casas cheias de água sujas, um verdadeiro caos na vida dos paulistanos.

Estas enchentes que ocorrem em todos os verões causam grandes prejuízos a vidas dos moradores de todas as regiões da cidade. Esse ano de 2008 o ABC na grande São Paulo tem sido uns dos bairros mais prejudicados durante estas pancadas de chuvas.

Quem dirigia naquela região no momento da chuva, teve seus carros arrastados pela água junto aos lixos trazidos pelos córregos.

No centro da cidade de São Paulo o caos do trânsito, falta de visibilidade, pontos de alagamentos, deram um grande trabalho para a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) controlar o congestionamento que às 8h da manhã já atingia mais de 120 mil km em toda cidade.

Com tantos alagamentos nesta época do ano, quem deve ser responsabilizado por todo este transtorno. A população paga seus impostos, mais o governo não tomam nenhuma providência para amenizar esses estragos causados todo ano pelas chuvas. Mas a culpa não é só do governo, moradores devem sim também se responsabilizar, por não jogar lixos em lugares impróprios, agravando mais a situação dos bairros quando ocorrem as chuvas. Sabendo de todas as causas dos alagamentos, será que não é possível amenizar este problema? Falta de interesse ou falta de cobrança da população? A população deve montar grupos de moradores dos bairros atingidos e cobrar do governo soluções imediatas para que aja um projeto a ser realizado de melhoria para suas comunidades atingidas. Levando o governo e a prefeitura se responsabilizar em investimentos de melhoria dos córregos, asfalto, rios etc. Direito de cada cidadão que pagam seus impostos.

Ricardo Droppa

Água, uma riqueza universal

abril 14, 2008

No último dia 22 de março, o planeta comemorou o Dia Mundial da Água. Esse bem tão precioso pode acabar devido a alguns fatores como o desperdício e a falta de políticas públicas para um melhor gerenciamento. Além disso, o desmatamento e a poluição ajudam a aumentar o problema.

A situação atual não é para festejos e em alguns países como Egito, África do Sul, Síria, Jordânia, Israel, Líbano, Haiti, Turquia, Paquistão, Iraque e Índia o momento é de calamidade. No resto do mundo, o cenário não é diferente e tomar cuidado é fundamental.

Para quem pensa que a água é infinita, é melhor rever seus conceitos. O nosso planeta é coberto por 70% desse líquido, mas apenas 0.008% é potável, ou seja, útil para o consumo e apta para suprir nossas necessidades diárias.

Sem essa substância inodora, incolor e insípida, a agricultura não vai para frente e os alimentos diminuem. Com isso, a fome aumenta.

Até o ano de 2027, cerca de 1 bilhão e 800 mil pessoas em todo o planeta tendem a sofrer com a escassez de água.

O consumo sem nexo desse bem líquido pode ser evitado com alguns cuidados básicos. Um cidadão que toma um banho de cinco minutos, não usa esguicho na calçada e utiliza balde em vez de uma mangueira na hora de lavar o carro já ajudou a despejar menos litros de água.

Outras ações úteis na luta contra o desperdício são a troca de ducha por chuveiro e colocar caixa acoplada no sistema de descarga.

Um futuro sem preocupação com a falta de água requer ações no presente e com isso, o Dia Mundial da Água é mais um aliado na luta para conscientizar o cidadão.

Daniel Benfica

Água é vida – Fátima Nakazone

abril 14, 2008

Até 2025, segundo dados da Organização das Nações Unidas(ONU), dois terços da população mundial correm o risco de ficar sem água.

O dia Mundial da água, comemorado dia 22 de março, serve como um alerta, inclusive para o Brasil, que possui 20% da água doce do mundo, mas que distribui mal a água e não cuida corretamente desse recurso natural não renovável. A poluição, o assoreamento, o desmatamento são hoje causa de morte de rios, antes considerados perenes.

Comunidades inteiras que vivem nessa regiões sofrem problemas de saúde causados pela contaminação,falta de saneamento bpasico, presença de mercúrio usado no garimpo e ainda o uso de agrotóxicos próximos a áreas de mananciais.

O consumo nundial de água cresceu duas vezes a população mundial. A falta de água causará uma verdadeira catástrofe, principalmente entre os mais pobres forçando as pessoas a deixar seus lares, provocando uma nova onda de imigração.

A agricultura consome 70% dos recursos de água utilizados. A escassez causará aumento dos preços de alimentos, diminuição da produção de alimentos e como consequência o aumento da fome no mundo

Alguns cientistas prevêem que o aquecimento global causará aumento na ocorrência de secas e o surgimento de mais desertos.

Devemos lutar contra o desperdicio, e tomar consciência que a luta por água limpa e para todos é prioridade, é uma questão de sobrevivência, porque sem água não há vida.

O jornalismo online envolve capacidade empresarial e iniciativa própria?

abril 10, 2008

A mídia em questão aqui, é o portal Folha de São Paulo que o próprio se descreve, por ser o primeiro jornal em língua portuguesa na internet. O conteúdo se difere um pouco do impresso, pois traz as últimas notícias. Possui as mesmas editorias do impresso que exemplifica a vida dos leitores que preferem ler a notícia sem sair de casa, em frente a tela do computador. Já disseram que muita das pessoas que liam o impresso, migrou para o on-line por não gostarem do odor e das manchas que ficam depois da leitura. A Folha On-line se destaca, dos outros, pois possui um link: Em Cima da Hora, que traz as informações em tempo real.

Os gráficos, fotos e os textos são de ótima qualidade, os profissionais do impresso muitas vezes vão para as editorias do on-line dando mais credibilidade ao jornal on-line. A atualização é o ponto forte da Folha, pois faz com que os internautas acessem várias vezes o site em busca da informação precisa. Não podemos esquecer dos anos que o jornal Folha de São Paulo exerceu e exerce de jornalismo, assim tornando o portal mais acessado ainda. Nada melhor que lermos uma notícia e “acreditar” no que é posto no ar.

Podemos citar o acidente da TAM – as informações chegavam a toda hora, e não precisávamos esperar as informações vir no jornal do dia seguinte. Podemos então afirmar, que o grupo, possui uma visão empreendedora, que foca em seu público-alvo e claro que visa em seu lucro.

Marcela Lima – RA 1113470

Perigo: futuro sem água

abril 7, 2008

No dia 22 de março é comemorado o Dia Mundial da água. Neste dia, especialistas de todo o mundo discutem diversos temas relacionados à água, com a grande preocupação de fazer com que a população se conscientize sobre o perigo de ficarmos, em um futuro próximo, sem água potável no planeta.

É cada vez mais comum ouvirmos dizer que a água vai acabar, mas o que não fica claro para as pessoas é que a água é um bem natural de grande importância para a vida e que cobre 70% do planeta. Porém desse grande número apenas uma quantidade pequena, cerca de 0,008% é potável, ou seja, própria para o consumo, e é esse pouco que merece cuidados.

O que preocupa de fato são as contaminações cada vez mais freqüentes de rios, lagos e represas, fontes de água potável. A ação predatória do homem ao longo de décadas faz com que a poluição se espalhe e o desperdício se alastre por gerações. Para mudarmos essa realidade é importante cada um fazer o seu papel:

Não jogar lixo nas vias públicas, mares, rios e lagos.

Evitar desperdício de água em torneira, mangueira e chuveiros.

Participar de coleta seletiva, separando o lixo reciclado.

Entre outros pequenos hábitos que contribuem para o crescimento humano e preservação da natureza.

O Dia mundial da água requer ainda muita divulgação, para que seu objetivo principal de criar um momento de reflexão, conscientização e elaboração de medidas práticas seja alcançado e possamos resolver o problema em todo o planeta.

Por: Fabiane Cruz, Silvaneide Duarte e Raquel Gomes

Uma nova tendência

março 31, 2008

Por Juliana Menezes

Com a agilidade da internet, o jornalismo aproveitou seus recursos para captação de um novo público leitor. As informações rápidas e instantâneas, que na maioria das vezes são postadas em tempo real, agradam pessoas de várias idades, diferentes níveis sociais e culturais. No entanto, tem deixado a credibilidade da profissão questionável e a produção de conteúdo de qualidade bastante limitado.

Normalmente as notícias veiculadas via on line são fornecidas de agências de notícias e não produzidas da forma convencional – ir a campo, entrevistar, conhecer, analisar, escrever – são “encurtadas” de forma a seguir um padrão ágil da internet, em que o leitor quer saber o assunto principal, sem maiores aprofundamentos e informações do fato.

O jornalista on line somente executa o trabalho de “empacotar” a notícia, semelhante ao trabalho de um copydesk, que analisa e corrige eventuais erros em textos alheios. Muitos especialistas não defendem essa forma de trabalhar com o jornalismo on line, valorizam mais o conteúdo original. Acredita-se que com essa forma de reduzir as informações postadas sobre o fato, acabam não passando o sentido real da notícia, que é passada ao leitor de forma vaga e simples, sem que ele absorva sua real relevância.

Mesmo com algum tempo de existência, a internet ainda é um veículo novo, no qual ainda é preciso reconhecer a melhor forma de aproveitamento, tal como o jornalismo on line, que pode ficar mais aprimorado, uma vez que o público internauta exija isso dos profissionais.

Quem não põe na mídia, não petisca!

março 31, 2008

Por Juliana Menezes

A tamanha influência que a internet tem na rotina das pessoas tem se mostrado maior a cada dia e de certa forma assustadora. A disposição de poder escrever blogs, publicar fotos e vídeos, informações e notícias; chega a passar para o internauta a idéia de como “brincar” de jornalista, fugindo um pouco da responsabilidade da profissão.

Um exemplo típico é o site Youtube, no qual é possível encontrar diversos vídeos, dos mais variados assuntos. O youtube tornou-se um acesso direto a fatos através de vídeos, hoje em qualquer assunto que ganhe destaque na mídia, é possível encontrar um vídeo no o mesmo no site.

Em ano eleitoral, esse tipo de comunicação transborda pela quantidade de vídeos que são veiculados, uns que denigram a imagem dos candidatos, outros que satirizam, outros que mostram benfeitorias, etc. No artigo publicado por Sergio Davila, na Folha de SP ele afirma que “o candidato que não está no Youtube não existe” relacionando a importância que o site obtive na opinião e busca de informações dos internautas.

Nos Estados Unidos, com as eleições presidenciais, o Youtube tem se tornando uma forma direta de acompanhar a popularidade dos candidatos. Interessante salientar que a internet, pela vasta bagagem de informação que dispõe, ainda é uma comunicação pouco confiável em que necessário maior aprofundamento e pesquisa das informações oferecidas.

Internet, mais do que convergência entre mídias

março 30, 2008

Diferente do que se previa com a chegada da internet, os meios habituais de comunicação não se extinguiram. Mas não podemos deixar de notar que o webjornalismo vem ganhando força, seja pela facilidade de encontrar rapidamente a notícia desejada, seja pela rapidez na atualização da mesma.

O que de fato está acontecendo nas redações on line, é o chamado “empacotamento” das informações. Isso acaba conferindo um caráter meramente informativo ao webjornalismo, pois o webjornalista não sai as ruas para a captação, muito dos seus textos são trechos prontos que vieram da agência de notícias, e isso é alvo de crítica pelas outras mídias.

O fato de os webjornais estarem em constante atualização, requer profissionais muito dinâmicos e com conhecimentos apurados dos programas de informática utilizados. Temos que lembrar que, além de “traduzir” a notícia, o webjornalista precisa muitas vezes, adicionar áudio ou vídeo, criar links, fazer tabelas e gráficos.

Há leitores que ainda desconfiam da veracidade do que lêem na internet. Muitos ainda preferem dar à palavra final as revistas semanais (Veja, Época…). Um webjornal precisa ter credibilidade, compromisso com seu leitor. A notícia correta e bem trabalhada, tira esse medo do leitor. O caminho é buscar dar ao leitor tudo o que de mais completo exista, checando a informação, esperando a apuração precisa, mesmo que seus concorrentes saiam na frente, porque mais vale dar a notícia depois e corretamente, do que primeiro que todos porém errada.

Joseane Carmo Ra 8032017