Archive for the ‘youtube’ Category

A internet e as eleições americanas

abril 14, 2008

Vivemos na era da Internet. Não podemosfugir disso. Ela pode ser boa ou não, dependendo de como é utilizada.

Ela facilita nossas vidas, na rapidez que recebemos as informações, praticamente no momento que acontecem, pagamos contas, compramos, conversamos, interagimos com outras pessoas. Não precisamos estar fisicamente presente nos lugares, podemos usar as videoconferências, tanto no mundo dos negócios, nas faculdades, em um hospital, ter o nosso blog, podcast,onde podemos fazer nosso próprio jornal, ou programa de rádio e TV.

O lado negativo da Internet, refere-se ao anonimato, não sabemos com certeza quem está do outro lado. Se alguém quiser postar algo para prejudicar alguém, é só colocar no “you tube” e esperar o resultado. Depois que caiu na rede, não há como consertar.

No artigo escrito por Sergio Davila “Quem não “youtuba se trumbica” é interessante o comportamento dos candidatos a presidência dos Estados Unidos, que não se importame até querem ser ridicularizados. O mais importante é estar nessa mídia, porque serão vistos por milhares de pessoas que comentarão o vídeo e talvez consigam mais votos.

Esse poder de conseguir mais votos é questionável, num país com tanta tradição democrática, as pessoas são mais politizadas,tem acesso a informação, existe a inclusão digital e o voto não é obrigatório. Deve ser uma maneira de animar a corrida eleitoral.

Fatima Nakazone

Anúncios

Quem não põe na mídia, não petisca!

março 31, 2008

Por Juliana Menezes

A tamanha influência que a internet tem na rotina das pessoas tem se mostrado maior a cada dia e de certa forma assustadora. A disposição de poder escrever blogs, publicar fotos e vídeos, informações e notícias; chega a passar para o internauta a idéia de como “brincar” de jornalista, fugindo um pouco da responsabilidade da profissão.

Um exemplo típico é o site Youtube, no qual é possível encontrar diversos vídeos, dos mais variados assuntos. O youtube tornou-se um acesso direto a fatos através de vídeos, hoje em qualquer assunto que ganhe destaque na mídia, é possível encontrar um vídeo no o mesmo no site.

Em ano eleitoral, esse tipo de comunicação transborda pela quantidade de vídeos que são veiculados, uns que denigram a imagem dos candidatos, outros que satirizam, outros que mostram benfeitorias, etc. No artigo publicado por Sergio Davila, na Folha de SP ele afirma que “o candidato que não está no Youtube não existe” relacionando a importância que o site obtive na opinião e busca de informações dos internautas.

Nos Estados Unidos, com as eleições presidenciais, o Youtube tem se tornando uma forma direta de acompanhar a popularidade dos candidatos. Interessante salientar que a internet, pela vasta bagagem de informação que dispõe, ainda é uma comunicação pouco confiável em que necessário maior aprofundamento e pesquisa das informações oferecidas.

Tecnologia a serviço da ridicularização

março 17, 2008

youtube.jpg

A consagração da internet como maior e mais eficiente meio de comunicação se torna mais evidente a cada dia. Agora, além de ser considerada um guia de serviços, informações, cultura e diversão, a internet também tem sido sinônimo de política.
Para se conhecer melhor um candidato às próximas eleições, basta digitar seu nome no Google e milhares de resultados mostrarão sua história, seus pensamentos e tudo que possa existir relacionado a esta pessoa. Quer saber seu modo de agir? Saber quais as críticas que a ele são feitas? Isto nunca foi tão simples… basta entrar no YouTube e será possível visualizar os fatos mais cômicos e chocantes de sua carreira, sua participação em programas de televisão e até mesmo flagras de sua vida pessoal.
A mesma internet que tem facilitado a vida de todas as pessoas, também tem destruído a de algumas. A tecnologia tem sido usada para satirizar, humorizar e até mesmo ridicularizar.

Seria então a tecnologia ruim e prejudicial? Ou o ser humano maléfico, sempre usando os benefícios tecnológicos a favor do mal? Esta é uma das muitas questões sem respostas existentes…

Enquanto isso, aproveitemos nossos recursos tecnologicos e nos divertamos com o humor feito com base na vida dos outros, enquanto não sejamos nós as próximas vítimas.

Por Raquel Gomes

Youtube pode decidir o pleito norte-americano

março 11, 2008

hillary_obama-2.jpg

As campanhas presidenciais dos Estados Unidos, neste ano de 2008, têm demonstrado aos eleitores norte-americanos a importância dada ao mais recente fenômeno da internet: o Youtube. Através desta ferramenta da web – onde milhares de internautas se divertem com os mais variados vídeos resgatados da televisão e cinema do mundo inteiro – os presidenciáveis da maior potência mundial buscam angariar, positivamente, a elevada audiência do site.

De acordo com o artigo publicado por Sérgio D’ávila na Folha de SP, em 09/03, “o candidato que não está no Youtube não existe”. Podemos afirmar, portanto, que o site hoje é um meio de comunicação indispensável para a proliferação das campanhas presidenciais de cada um dos candidatos. D’ávila exemplifica este fenômeno perfeitamente ao compará-lo às “conversas de bebedouro dos anos 70 e 80” – um meio comum de disseminar qualquer fato ou assunto corriqueiro à época.

É notável a preocupação dos candidatos com as imagens que são parodiadas e, posteriormente, divulgadas no Youtube. Ao digitar o nome do candidato democrata Barack Obama na página do veículo, aparecerá instantaneamente milhares de vídeos relacionados ao presidenciável. Entre eles, muitos são sátiras produzidas por programas humorísticos dos EUA – como, por exemplo, o “Saturday Night Live” citado no artigo pelo jornalista.

Os oito meses que antecedem as eleições norte-americanas oferecerão aos candidatos, via Youtube, uma oportunidade única de auto-afirmarem suas respectivas imagens junto ao eleitorado. A ferramenta tem duas diretrizes: a boa e a ruim. Se bem usufruída torna-se um ótimo meio de consolidar uma campanha e eliminar seu adversário.

Para ler colunas dos demais articulistas da Folha, clique aqui.

Por: Márcio Homsi e Daniel Grecco

Exercício 10/03/2008

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008

Cyberjob

março 11, 2008

computador_confortavel1.jpg

A internet se tornou há muitos anos o primeiro meio de veiculação de notícias e novidades. A verdade é que nos dias atuais quem não se comunica via web acaba perdido e isso pode ser compreendido tanto na mensagem política quanto na divulgação de trabalhos de todos os gêneros.
Influente na vida das pessoas, a internet se tornou um habito indispensável à quem procura boa divulgação e até uma exposição maior do seu próprio trabalho. A política não fica fora desse contexto.
Alguns partidos políticos já usam a internet como principal meio para divulgar campanhas, deixando de lado impressos, televisão e rádio.
A campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006 já foi um grande marco no uso da internet pelos políticos brasileiros. Valter Pomar (na época ex-secretário de relações internacionais do PT) comentou durante as eleições a importância da internet no processo eleitoral e o direito que os internautas têm de divulgar sua opiniões de uma maneira livre, em blogs e fóruns da web.

Saiba mais: Blog Amigos de Zé Dirceu

Por Paulo Egydio, Deborah Lemos e Tânia Amaral

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008

As eleições são dos Nets

março 11, 2008

obama-surf.jpg

Teremos eleições para prefeito e vereador em São Paulo em 2009. E nos acostumamos a ver outro tipo de publicidade nas ruas, TVs, rádios e outdoors pela cidade. Ruas sujas, propagandas cansativas, locutores repetitivos e banners como no velho oeste (Procura-se vivo ou morto). Nos Estados Unidos, as eleições acontecem agora e a poluição e diferente. Nunca a internet foi tão usada como pelos pré-candidatos Hillary e Obama.

Já podemos ter uma idéia de como vão agir nossos queridos e honestos políticos. A indicação que temos é que o que eles mais sabem é copiar ou fazer quase igual. Mas, seria mais agradável para todos e mais limpo para cidade, se toda propaganda política no futuro fosse feita só pelos sites. Os candidatos americanos estão nos sujando com poluição visual, mas estão sujando menos não é?

Por José Evandro dos Santos

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008

Internet e política

março 11, 2008

olho1.jpg

A internet é a maneira mais rápida de comunicação e interatividade entre eleitores e políticos. Falar de política na internet mexe com a imaginação de diferentes maneiras, isso porque questões como ética, censura e liberdade de expressão são sempre lembrados.

A política na internet tem sempre um lugar seja para informar ou para sabotagens de opinião e efeitos, além de críticas . Imagens são a preferência de quem quer expressar sua opinião sobre um determinado político ou situação.

As imagens usadas muitas vez para informar são em sua grande maioria aduteradas antes de serem lançadas em site. Acompanhadas de textos curtos e claros as imagens usadas na internet causam grandes efeitos entre os internautas.

A internet pode ser considerada um dos meios de comunicação livre, mas ultilizado pela massas. Nela, qualquer pessoa pode escrever, registrar fotos e comentários sem qualquer tipo de proibição. Muitas vezes, inclusive, de forma contrária ao jornal impresso, limitado a uma linha editorial.

Sites como You Tube são visitados por muitas pessoas todos os dias e trazem um grande números de sátiras, paródias e chargens de diferentes formatos. A politica é o tema mais abordado no You Tube trazendo velhos e novos políticos conhecidos da população em diferentes situações.

A internet acaba sendo importante na hora de revelar um determinado candidato para o eleitor, podendo influenciar e incentivar na hora da decisão. Nela, o leitor pode comparar diferentes opiniões , além de se informar de serviços prestados pelos candidatos. Hoje, a internet conquista cada vez mais o seu espaço na vida das pessoas.

Por Silvaneide Duarte

10/03/08

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008

Internet como forma de expressão

março 11, 2008

lula1.jpg

O tema política é e sempre será alvo das maiores críticas e gozações vindas de todas as partes: eleitores, mídia, críticos etc.
A mídia impressa nem sempre permite um julgamento livre, já que normalmente está atrelada a determinada linha editorial e outras questões relevantes que tornam utopia a imparcialidade no jornalismo.
A internet mostra-se a alternativa mais viável para a expressão da opinião individual e crítica, pois permite essa exposição de idéias livres, através de blogs, sites independentes, comunidades específicas, entre outras formas que vemos na web.
Aliadas aos textos as imagens fazem grande sucesso neste tipo de abordagem. É através delas que se fazem as melhores críticas à política e outros assuntos polêmicos. Charges e vídeos expostos em sites como o Youtube expressam perfeitamente o sentido de ironia, como de certa forma alguns fatos importantes que estão acontecendo no mundo e até mesmo atualidades no meio de comunicação.
É importante lembrar que a internet atualmente é um dos melhores meios de comunicação de massa, pois atinge grande parte da população e pode ser considerada uma nova forma de expressão para todos. Quando temos acesso à internet apresentamos uma liberdade no sentido de escrever textos, montar imagens e vídeos de lazer ou informação que não podem ser censurados.

Por Alessandra Oliveira e Fabiane Cruz
10/03/2008

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008

Aparecer é preciso

março 11, 2008

barack.jpg

A grande influência da internet na sociedade está cada vez mais intensa ao passar dos anos. Quebrando fronteiras e invadindo assuntos de tamanha relevância internacional, um dos protagonistas desta “revolução” é um dos sites mais visitados ao redor do planeta: o Youtube.

Atualmente, é mais do que notória a importância da comunicação por meio da internet, e a grande febre mundial são os vídeos armazenados em toda a rede. O último grande alvo são as eleições norte-americanas para a escolha do sucessor de George W. Bush na Casa Branca.

Os pré-candidatos, sobretudo Barack Obama e Hillary Clinton constantemente são encontrados em vídeos no site. Não só aqueles em que são “vítimas” de paparazzi, entre outras surpresa, mas também naqueles em que fazem questão de aparecer para propagar suas respectivas imagens e, em segundo lugar, seus planos de governo.

Sejam eles programas jornalísticos ou humorísticos, os candidatos não se importam. O valor é dado àquilo que trará mais retorno na mídia e nas futuras reproduções nos lares dos eleitores, jóia rara para cada um dos presidenciáveis.

Saiba mais em:

www.viomundo.com.br

www.terra.com.br

Por Tadeu Inácio e Lucas Begali

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008

Confiabilidade da informação nos veículos online

março 10, 2008

hilaryclinton.jpg

Youtube, ferramenta gratuita para posto de vídeos na internet é usado de diversas maneiras pelos internautas. Alguns vídeos têm conteúdos manipulados, que podem servir para mudar a opinião pública.
Recentemente a campanha eleitoral nos EUA, é campeã de posto, entre os vídeos mais vistos estão Obama e Hilary, em situações que fogem do convencional, constrangedoras por assim dizer. O que mostra como o Youtube é utilizado como uma maneira de divulgação, podendo causar uma imagem positiva ou negativa.
Por um lado os “Youtubeiros” estão corretos, porque usam o meio online, como uma forma de mostrar a verdade à sociedade, sem enganações ou mascaras por trás das campanhas eleitorais, essa ferramenta democratiza o acesso a informação, tornando a pública e acessível a “todos”.
Mas também à controversa dos fatos, onde a internet é utilizada por pessoas que exageram no conteúdo, querendo transparecer sua opinião de maneira totalmente parcial.
Cabe ao leitor, filtrar as mensagens que recebe e fazer pesquisas relacionadas ao assunto, sem acreditar na 1ª informação lida em veículos online, em especial blogs e sites de vídeos, pois eles não se comprometem com a informação transmitida, ao contrario dos grandes portais onde há a responsabilidade pela informação publicada.
Acesse os links abaixo e tire suas próprias conclusões sobre o assunto.
Sites que destorcem propositalmente as informações de maneira cômica e caricata.
www.cocadaboa.com
www.kibeloko.com.br
Sites comprometidos com as informações, buscam a veracidade dos fatos.
www.uol.com.br
www.terra.com.br
www.comunique-se.com.br
www.yahoo.com.br

Por Danielle Abdala e Helenice Moura

10-3-2008

Comentário do texto “Quem não youtuba, se trumbica”, de Sérgio D’ávila, na Revista da Folha, 9-3-2008